segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

[Review] International Superstar Soccer Deluxe

Cima, Cima, Baixo, Baixo, Trás, Frente, Trás, Frente, B, A!


Quantos de nós já utilizaram esse comando, ao iniciar uma partida de International Superstar Soccer Deluxe? Lembrando que ele é realizado no controle 2, aquele controle menosprezado pelo dono da casa, escondia justamente o comando que transformava o juiz e os bandeirinhas da partida em cães.
Superstar Soccer marcou, não só a minha infância como a de muitos dos leitores. Aos que não jogaram, fica a recomendação.



Ficha técnica

Quanto foi jogado:
  • Aproximadamente um zilhão de partidas, dos 10 aos 14 anos
Pontos positivos
+ Single e Multiplayer;
+ Narração dinâmica
+ Jogabilidade simples de aprender, difícil de dominar;

Pontos negativos
- Os jogadores correm em apenas 8 direções;
Gênero: Esportes, Simulador Futebol
Dev: Konami (SNES), Factor (MD)
Publisher: Konami
Lançamento: 
  • Diversas edições entre 1995 e 2003
Semelhante a:
  • Série Fifa Soccer
  • Matchday
  • Goal (Jaleco)

História

A série International Superstar Soccer surgiu em 1994 como resposta ao FIFA International Soccer, do ano anterior. O jogo inicialmente foi apresentado no Japão com o nome de Perfect Eleven, e teve vendas de aproximadamente 280mil cópias. Em seguida foi lançado nos EUA, em 1995, com o nome de International Superstar Soccer. No final do mesmo ano, foi lançado International Superstar Soccer Deluxe (que será referido por "ISSD" no restante do artigo), que era uma atualização do jogo original com alguns recursos adicionais. Esses recursos incluíam modo cooperativo (jogadores VS CPU), mais frases na narração e mais configurações de estratégia. A versão Deluxe foi a que mais marcou no Brasil, e é a que incluía o código para transformar o juiz e banderinha em cachorros.

O ISSD não tinha os contratos de licença para uso dos nomes dos jogadores reais. No Brasil, era possível encontrar cartuchos hackeados, com nomes de "Campeonato Brasileiro 96", "Ronaldinho Soccer 97" e 98. Esses hacks tinham times e nomes de jogadores brasileiros, com uma narração lamentável em português. Ainda assim, faziam a nossa felicidade, finalmente permitindo ao brasileiro jogar com seu time do coração.

A série teve versões em vários consoles, incluindo Mega Drive, PS1, PS2, PC, XBox, entre outros. No início dos anos 2000, houve uma confusão entre três nomes de jogos muitos semelhantes, todos feitos pela Konami: International Superstar Soccer, Winning Eleven e Pro Evolution Soccer. Anos mais tarde a Konami abandonaria os outros nomes, ficando apenas com Pro Evolution Soccer, que tem versões anuais até hoje.

Mecânica


Basicamente é um jogo de futebol com câmera isométrica. Foi precursor de várias das funcionalidades dos jogos de futebol atuais: escolher equipes, montar formação tática, posicionar mais especificamente um jogador e enfrentar os adversários.

No início de cada partida, acontecia o famoso "campo ou bola". Os times jogavam cara ou coroa, e o ganhador podia escolher iniciar com o domínio de bola ou o seu lado favorito no campo. A decisão era "transmitida" num telão em frente às arquibancadas, conferindo um toque de charme na arte do jogo.



    

Durante a partida a dinâmica era excelente. Os comandos eram simples e respondiam bem. Era possível trocar o comando de um jogador para outro e elaborar táticas mais complexas. Com a prática, era possível desenvolver habilidades mais elaboradas, com dribles, chapéus e outros truques para fazer jogadas mais bonitas e eficientes.


Na escalação das equipes, era possível visualizar o estado físico de cada jogador. Isso era representado por "smiles" que determinavam se o jogador estava mais ou menos cansado, tendo ou não condições de jogo.

A atenção a detalhes era grande apesar das limitações técnicas. Mesmo um gol contra era mostrado por vários fatores de ambientação. Desde a narração fazendo um tom mais trágico, as vaias da torcida, até o telão que representava a decepção do jogador ao marcar um gol na própria meta.


A série foi pioneira nos simuladores de futebol em alguns aspectos:

  • Diferenciação de jogadores: Apesar de não trazer uma forte definição de gráficos, o game abordava pontos que diferenciavam os jogadores, como a cor da pele, estilo, cor e volume de cabelo.
  • Narração: Foi o primeiro game a incluir comentários, como escanteios, impedimentos, faltas e cartões, e um emocionante grito de gol.
  • Scenario Mode: O jogo oferecia desafios com situações baseadas em partidas reais. O jogador era confrontado com uma situação adversa, como disputar num time com jogadores expulsos ou ter que reverter uma goleada

Ambientação


Os gráficos são impraticáveis até para os celulares de hoje, mas eram de qualidade impressionante na época. Diferente de hoje, todos os jogadores mantinham um padrão, todos se movendo da mesma maneira. No entanto, era possível diferenciá-los por pequenos detalhes, como cor dos cabelos e da pele. Era possível selecionar estádios diferentes (de tamanhos diferentes, com cores de grama diversas), o horário da partida e o clima, e tudo isso influenciava o andamento da partida. Todas as possibilidades táticas do jogo eram acessíveis por meio de uma estrutura de menus bem coesa. Os gritos da torcida eram bem definidos, com emoções diferentes para cada momento da partida.


Fator de impacto


ISSD foi um jogo que marcou a infância. Sempre tinha algum amigo querendo imitar o eterno Alejo (que era o nome dado ao melhor atacante da seleção brasileira). Algum moleque querendo dar chaleirinha, gol de bicicleta, quando o "estádio" permitia. ISSD também foi um jogo que trouxe novas amizades. Era normal juntar amigos e amigos de amigos na casa de alguém e fazer torneios inteiros. E às vezes alguma dessas pessoas tinha um multitap, e de repente todos podiam jogar numa partida só!

Alguns dos bugs do jogo ficaram marcados. Quem nunca fez o famoso gol fantasma? Numa cobrança de falta, se o jogador comandasse um replay antes da bola chegar ao gol, o gol acontecia mesmo sem a partida ser mostrada na tela. E o clássico balãozinho no meio campo, seguido de um balão em direção ao gol?
Bastava posicionar bem seu atacante que o goleiro adversário era atraído para pegar a bola. Na última hora, bastava simplesmente furar, deixando o atacante na cara do gol. Dependendo das posições, o gol ja saía direto do truque.


Mas o que fascinava no jogo é que para a época era algo extremamente real, na aparência e ambientação do jogo, apesar dos jogadores correrem de forma meio quadrada. A forma como toda a série trata pequenos detalhes, como o decepção de um gol contra, o inicio de uma partida escolhendo os lados de jogo, tudo isso lembrava as partidas que víamos na TV.

Incontáveis foram as partidas jogadas, sozinho ou com os amigos. Não raro elas se iniciavam à tarde e seguiam noite adentro, até o inevitável grito de uma de nossas mães.

Postagens Relacionadas



Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário