quinta-feira, 28 de agosto de 2014

[Review] Invocação do Mal

Outra casa mal assombrada? Sim, obrigado!

Invocação do Mal (EUA, 2013, "The Conjuring") foi o mais alardeado filme de terror em 2013, e não sem uma razão. Trata-se de uma ótima peça de suspense e horror, com tensão constante, ainda que haja algum descuido no final.


Ficha técnica


Título Original: The Conjuring
País: EUA
Ano: 2013
Diretor: James Wan
Roteirista: Chad Hayes, Carey W. Hayes

Elenco: Vera Farmiga, Patrick Wilson, Ron Livingston, Lili Taylor
Pontos positivos
+ Ótima ambientação
+ Assustador sem ser apelativo
Pontos negativos
- Perde um pouco do charme no final


Enredo

A história trata do casal Warren e sua investigação de fenômenos paranormais na casa da família Perron. Ed e Lorraine Warren, na vida real, trabalharam intensamente com investigações de aparições e possessões, particularmente entre os anos 50 e 70. Seu caso mais famoso é a investigação de possessão demoníaca em Amityville, que por sua vez já conta com adaptações literárias e cinematográficas. O caso da família Perron aconteceu em 1971, quando Roger, Carolyn Perron e suas cinco filhas se mudaram para uma casa do século 19 em Rhode Island.


A família começa a testemunhar fenômenos crescentemente perturbadores, até que resolve levar seu caso á New England Society for Psychic Research (sociedade de pesquisa psíquica de New England, fundada pelos Warren). A investigação que segue revela uma série de eventos cercando os Perron e a casa.

Produção

Invocação tem uma produção bastante competente. A casa parece mesmo ser do século 19, os personagens parecem estar nos anos 70, e o uso de luz e som contribui muito para a experiência. Destaque para o emprego de maquiagem em alguns momentos críticos do filme (sem spoilers). As transições de cena são bem feitas, embora se aproveitem de alguns clichês do gênero. A atuação é muito competente.


A atriz Lili Taylor, que interpreta a mãe da família Perron, já participou de outros filmes de suspense e horror. Infelizmente, isso traz uma sensação inconveniente de "putz, você de novo?". A trilha sonora é interessante, esbanjando violinos dissonantes que são a marca do gênero.


Opinião

O alarde em torno de Invocação do Mal é bem fundamentado, pois se trata de uma das boas peças de horror na memória recente. O enredo é muito semelhante a várias outras histórias de assombração e possessão. No entanto, a execução é boa, e mantém o espectador preso na poltrona enquanto acontece o próximo desenvolvimento.

A presença de Lili Taylor incomoda um pouco. Não questionando seus méritos como atriz, mas Lili participou de filmes de horror particularmente fracos (ex: A Casa Amaldiçoada, de 1999) e outros papéis do tipo "mãe de família". Sua presença em Invocação dá um ar desgastado a uma personagem com mais potencial.


Há algum descuido com a narrativa e a ambientação perto do final, quando o filme fica joga a sutileza pela janela e fica muito "na sua cara". Ainda que pareça necessário, é um ponto que destoa da elegância empregada no restante da obra. Não chega a estragar o resto da experiência, mas faz a obra parecer um pouco mais comercial do que podia ter sido.

Um ponto muito positivo sobre a direção é que ela esquiva do padrão "susto barato". Esses momentos existem, mas em igual quantidade há momentos bastante perturbadores em que não há um choque de trilha sonora. Há ainda diversas cenas que exploram o jogo de luz e sombras de forma a agregar à ambientação.

Pesados todos os fatores, Invocação do Mal é um bom filme de horror, ainda que não seja particularmente inovador em nenhum aspecto. O desenrolar da história é ótimo, e há momentos que assustam forte. Há um filme relacionado, Annabelle (sobre a boneca mencionada no início de Invocação), com lançamento previsto para 2015. Você pode conferir o trailer aqui. Com ele, há o potencial (muito bem vindo) de se transformar os Warren numa franquia.


Postagens Relacionadas



Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário